Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram      Município do Funchal

Serviços OnlineBalcão do InvestidorInformações ao MunícipePDM UrbanismoRecursos HumanosEditaisReabilitação Urbana

Núcleos Locais de Proteção Civil do Funchal

Visão

As áreas mais vulneráveis aos riscos no município do Funchal tornar-se-ão mais resilientes através de uma resposta coletiva dos grupos comunitários, onde o gosto pela aprendizagem e a convivência alargada reforçará as atitudes, individuais e coletivas, de prevenção e minimização do risco.

Objetivo geral

Objetiva-se promover uma organização comunitária através da sensibilização e do planeamento participativo, de modo a obter uma resposta coletiva e voluntária na prevenção e minimização dos riscos, e consequentemente, aumentar a resiliência da população residente nas áreas mais vulneráveis aos riscos. Especificamente, incentivar-se-á habilidades na comunidade no âmbito da gestão dos riscos.

Objetivo Específicos

O presente plano de ação além da formação, visa:

  • Criação de espaços democráticos – a articulação entre os diferentes agentes permitirá a consolidação do plano através de codecisão, bem como, proporcionará o ambiente favorável para a (re) formulação de princípios de convivência local, nomeadamente, o valor de solidariedade.
  • Construção de uma cultura de prevenção – de modo a formar uma população consciente e alertada para as questões de prevenção e minimização dos riscos incentivar-se-á a construção do senso crítico, isto é, observar, analisar e interagir, como também, auxiliar-se-á os elementos a refletir sobre os riscos existentes na sua área residencial, pretendendo-se uma mudança de comportamentos despertada pelo sentimento de corresponsabilidade. Conclui-se, que ocorrerá uma diminuição do efeito surpresa e aumento da resiliência.
  • Capacitação de uma equipa direcionada para mitigação do risco – o recrutamento e formação de cidadãos voluntários predispostos a ajudarem a sua comunidade permitirá através da orientação dos agentes de Proteção Civil, de Saúde, de Ação Social uma resposta coletiva, eficiente, coerente e adaptada a especificidades locais em situações de emergência. Um outro resultado da inclusão da população no processo de gestão do risco será descentralização do processo e a monitorização permanente do risco.
  • Capacitação uma equipa de jovens direcionada para mitigação do risco – os jovens apresentam-se na atualidade como catalisadores de mudanças junto à comunidade, por isso motivo a formação e orientação de uma população juvenil é fundamental para manter as ações preventivas, como também, é um importante meio para mobilização e aproximação à população (Redes de relações). A sua formação permitirá não só a sensibilização dos jovens, bem como, será uma ferramenta de inclusão social, uma vez que promoverá a cooperação e solidariedade. Isto é, ajudar-se-á os alunos a serem uns cidadãos conscientes e participativos.

 

 

CMF está a transformar a resposta a situações de catástrofe nas Zonas Altas

População do Curral dos Romeiros já tem kit de Proteção Civil

Os Núcleos Locais de Proteção Civil do Funchal têm vindo a ser operacionalizados pelo Executivo liderado por Paulo Cafôfo desde 2017. Estes são uma das novas abordagens para garantir a proteção de pessoas e bens nas Zonas Altas do concelho, dotando os cidadãos comuns de meios para saber comportar-se numa primeira resposta a situações de catástrofe, sendo que, neste momento, a Autarquia tem vários projetos em implementação, em diferentes estados evolutivos, destacando-se os casos do Curral dos Romeiros, no Monte, e da Escola Dr. Eduardo Brazão de Castro, em São Roque, como aqueles que já se encontram em pleno funcionamento.

Em processo de formação, estão os Núcleos nas Corujeiras, nas Babosas-Lajinhas (ambas no Monte), e no Sítio da Alegria (São Roque). Refira-se que o Núcleo do Curral dos Romeiros já tem o seu próprio kit, entregue pelo Presidente Paulo Cafôfo no Verão de 2017, destacando a Autarquia que a recetividade dos residentes e alunos tem sido, até agora, encorajadora, incentivando a que ainda mais comunidades se disponibilizem para este efeito, no futuro próximo.

Com génese nas ferramentas de Democracia Participativa que o atual Executivo da Câmara Municipal do Funchal tem implementado ao longo dos últimos anos, os Núcleos são um grande passo em frente no que diz respeito à proteção de pessoas e bens, reconhecendo-se que a melhor forma de proteger as populações em situações de emergência é envolvê-las no combate a catástrofes, investindo-se em literacia e meios nesta área de ação. Isto porque a maior vulnerabilidade identificada nas zonas de risco é o facto de a população não ter formas eficazes de enfrentar a primeira fase de resposta, antes da chegada das forças de combate.

O entendimento da Autarquia é, por isso, que os órgãos de poder Executivo têm cada vez mais de pensar em estratégias de intervenção que não se limitem à atuação pós-desastre, mas que incidam, pelo contrário, na prevenção e preparação da população para lidar com essas situações nos seus contextos e no seu território. A implementação deste projeto constitui uma mais-valia inequívoca para a consolidação da governança na gestão de risco à escala municipal e para o incremento de uma Proteção Civil de proximidade, acrescentando-se que a Autarquia tem em vigor uma estratégia clara de prevenção e mitigação do risco, promovendo o envolvimento da comunidade na construção de uma maior cultura de segurança e a adoção de comportamentos de prevenção e autoproteção responsáveis e adequados face a situações de emergência. De um modo geral, residentes e comunidade escolar, assumem assim um papel preponderante na partilha e troca de conhecimentos com os familiares e vizinhos, e na sua proteção e segurança, responsabilidade que compete a todos.

O envolvimento e participação ativa da comunidade na mitigação do risco, além de aumentar a eficiência dos mecanismos de prevenção municipais, contribui para a monitorização dos fatores de perigo e identificação de novos elementos expostos, reduzindo o risco existente e promovendo a construção de um município mais resiliente.