Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram      Município do Funchal

segunda, 25 novembro 2019 18:57

Bloqueio de PSD e CDS na Assembleia Municipal tira 4 milhões de euros em apoios sociais às famílias do Funchal

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, afirmou hoje, no final da primeira parte da Assembleia Municipal, que "a força de bloqueio constituída pelo PSD e pelo CDS representa hoje, no Funchal, uma forma de violência financeira sobre todas as famílias do concelho. É preciso que os funchalenses saibam que, hoje, o PSD e o CDS aprovaram a retirada de 4 milhões de euros ao Orçamento Municipal que seriam canalizados diretamente para as famílias, pondo em causa um conjunto fundamental de apoios sociais que são atualmente insubstituíveis."

"Este boicote à cidade de dois partidos que têm uma agenda político-partidária bem vincada, que vai claramente contra a salvaguarda dos interesses dos funchalenses, coloca em risco um vasto conjunto de medidas, tais como as bolsas de estudo universitárias, os manuais escolares gratuitos, o subsídio municipal ao arrendamento, a comparticipação de medicamentos ou os apoios à natalidade e à família. Todo o Fundo de Investimento Social da Câmara do Funchal fica em risco com esta política de terra queimada, de quem só está interessado em responder às agendas dos seus próprios partidos, sacrificando, para isso, os munícipes que os elegeram.”

Pese “o bloqueio declarado que se verifica na Assembleia Municipal, que está hoje completamente instrumentalizada pelos dois partidos, com posturas que roçam a ilegalidade, procurando criar a partir de dentro todo o tipo de obstáculos à gestão da Câmara”, o Presidente deixa claro que "o Funchal continuará a trilhar o seu rumo de desenvolvimento, alheio ao oportunismo e à irresponsabilidade, em nome de uma cidade com menor desigualdade, com mais justiça e mais equidade. Estamos cá para defender as nossas famílias, e assim continuaremos, seja contra o PSD e o CDS, seja contra todos quantos pretendam que os funchalenses sejam um dano colateral na sua tentativa de derrubar a Câmara Municipal do Funchal.”