Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram      Município do Funchal

segunda, 26 janeiro 2015 10:12

CMF reduz dívida em 22 milhões de Euros

A Câmara Municipal do Funchal continua na prossecução dos objectivos que norteiam o trabalho do actual executivo municipal,  presidido por Paulo Cafôfo, nomeadamente e no que concerne à sua vertente financeira, o rigor orçamental e a consolidação das finanças municipais.

Com efeito, desde 21 de Outubro de 2013, o Município do Funchal conseguiu um abatimento de 22 milhões de euros na dívida global, reduzindo o seu valor para 78,9 milhões de Euros. Quando comparada com exercícios anteriores, este nível de dívida global não se atingia desde o final do exercício de 2003 com 78,7 milhões de Euros.

Este esforço de consolidação é ainda mais notável tendo em consideração que foi conseguida exclusivamente pelo orçamento municipal, evitando pela primeira vez em muitos anos o recurso a resgates do Estado ou reestruturação de dívida a fornecedores. Recorde-se que em quatro ocasiões no passado recente, a CMF viu-se forçada a recorrer a pacotes financeiros e planos de pagamentos para fazer face aos sistemáticos atrasos nos compromissos com fornecedores, transformando a dívida comercial resultante em empréstimos e acordos de médio e longo prazos. Foram disso exemplos, em 2008 a subscrição ao programa ‘Pagar a Tempo e Horas’ na importância de 10 milhões de euros, em 2009 o Programa de Regularização Extraordinária de Dívidas do Estado (PREDE) no montante de 7,5 milhões de euros, em 2012 a adesão ao Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) para o financiamento de 28,4 milhões de euros e finalmente, em 2013, a celebração de plano de pagamento a cinco anos que ascendem a 18 milhões de euros. 

O município do Funchal pode orgulhar-se de não ter pagamentos em atraso, num manifesto esforço por honrar a liquidação atempada dos novos fornecimentos e dos acordos de pagamento de dívida antiga. O actual executivo liderado por Paulo Cafôfo identifica neste compromisso com o rigor e com a transparência uma forma de estabelecer novos laços de confiança com os parceiros comerciais da CMF e um método responsável de dinamizar a economia local carecida de liquidez. É de salientar ainda que a dívida a fornecedores regista o seu valor mais baixo desde o início do século, cifrando-se em cerca de 26 milhões de euros. Este montante inclui 20 milhões de euros de dívidas às empresas do sector público regional (IGA, EEM, ValorAmbiente) herdadas em acordos de pagamentos.»