Facebook Youtube Twitter Google + Vimeo Instagram      Município do Funchal

segunda, 24 fevereiro 2014 10:37

Câmara não quer pagar estradas regionalizadas

A Câmara Municipal do Funchal já informou a Vice-presidência do Governo Regional sobre a manutenção das estradas de acesso ao centro e que foram regionalizadas de formas impositiva.

O problema conforme, sexta-feira, em Assembleia Municipal, alertou Paulo Cafôfo, é que os encargos com a manutenção dessas vias continuam a ser uma despesa municipal, sem, contudo, a autarquia poder intervir numa parte importante da cidade, daí que caso a situação se mantiver equacione tomar uma posição de força.

A situação de vulnerabilidade do Funchal face às intempéries como a do 20 de Fevereiro foi outro dos temas abordados por Paulo Cafôfo, tendo o presidente da autarquia reconhecido que o Funchal permanece «vulnerável», tendo questionado a prioridade das obras do Governo Regional na frente mar, quando exigia-se mais medidas de prevenção nas zonas altas. A situação da Praça do Mar foi igualmente abordada porque, embora a autarquia seja Por accionista da Sociedade Metropolitana de Desenvolvimento (SMD), até agora «não foi tida nem achada» no projecto hoteleiro que está em negociação para esta praça. «Já fizemos chegar o nosso descontentamento à nova administração da SMD, de modo a que sejam esclarecidos numa assembleia geral sobre todas as negociações sobre aquela área fundamental para aquela cidade», explicou aos vereadores e aos deputados municipais.

Na sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal do Funchal, fez ainda um ponto de situação sobre a reposição das 35 horas semanais, processo em curso, adiantando haver na segunda-feira uma reunião com os sindicatos destacou, na sua intervenção na assembleia municipal, lembrando ainda a Rede Social do Funchal, projecto importante para articular o funcionamento de organizações públicas, privadas e sem fins lucrativos, bem como o recém-criado Orçamento Participativo e a Loja do Munícipe, que visam, respectivamente, que os cidadãos tenham um papel mais activo na proposta de planos para o concelho e melhorar a agilidade e a eficiência dos serviços camarários. A finalizar, foi referido o estado da situação do processo do novo Plano Director Municipal (PDM),que a autarquia pretende que seja discutido publicamente não só nas questões técnicas mas também nas linhas estratégicas para o Funchal.